1 P. José Kentenich.jpeg
Screen Shot 2020-11-13 at 6.40.48 PM.png

Padre José Kentenich, fundador do Movimento Apostólico de Schoenstatt

Schoenstatt: Quem é realmente o Padre José Kentenich?

 

Análise à luz de acusações contra ele

Enrique Soros - Análise

Tradução do texto original em espanhol

(Zenit - 10 de Novembro de 2020) - Em 2 de Julho, The Washington Post publicou um artigo no qual, com base numa publicação da agência de notícias AP, se referia ao relatório da historiadora Von Teuffenbach de que o visitante apostólico do Santo Ofício ao Movimento de Schoenstatt, Padre Sebastian Tromp, tinha recebido nos anos 50 um "relatório credível de abuso sexual cometido contra pelo menos uma freira", referindo-se a uma Irmã de Maria de Schoenstatt. Esta informação publicada em numerosos meios de comunicação social, é na realidade, mais do que acreditável, um "relatório inacreditável" (tão incomum como nunca visto) de uma frase, simplesmente uma frase, através da qual Kentenich pretendia ajudar psicologicamente uma irmã com complexos sexuais , concretamente na aceitação do seu próprio corpo.

É também errado, entre outras falsidades que foram ditas nos meios de comunicação e vindas da mesma fonte, afirmar que o Kentenich foi enviado para o exílio como uma medida punitiva. Foi uma medida administrativa com o objetivo de investigar Schoenstatt sem a interferência do seu fundador. Além disso, nunca houve uma acusação formal contra ele por parte da Igreja, o que refletia no tratamento das pessoas que ele investigava pela Igreja. O P. Kentenich solicitou que fosse feita uma acusação formal contra ele para exercer a sua defesa, mas isto nunca aconteceu.

2 PK con el Papa Pablo VI.png

Depois de o Santo Ofício ter suspendido todos os decretos do P. Kentenich (20 de Outubro de 1965) e de o Papa Paulo VI ter ratificado esta decisão (22 de Outubro de 1965), o Pe. Kentenich teve uma audiência com o Papa Paulo VI (22 de Dezembro de 1965)

Sobre o Santo Ofício

A origem do Santo Ofício é a Sagrada Congregação da Inquisição Romana e Universal, fundada em 1542 pelo Papa Paulo III. Em 1908, Pio X mudou o seu nome para Sagrada Congregação do Santo Ofício. Confrontado com queixas de que os seus métodos eram extremamente legais, parciais, inflexíveis e implacáveis nas suas investigações e imposições, incapazes de compreender contextos e processos vitais, Paulo VI, em 1965, redefiniu a sua estrutura e deu-lhe o nome de Sagrada Congregação para Doutrina da Fé.

O Santo Ofício nunca mencionou qualquer tipo de abuso sexual

O padre Tromp, padre jesuíta holandês, elaborou documentos preparatórios para o Concílio Vaticano II a pedido do Papa João XXIII, com a possível intenção de os ter aprovados praticamente num livro fechado. Os padres do Conselho resistiram a esta imposição e o Conselho trabalhou a partir das concepções dos bispos do Conselho em forma sinodal, sem ter em conta nenhum dos documentos preparados por Tromp.

Este sacerdote, visitador apostólico em Schoenstatt, de acordo com o modus operandi do Santo Ofício, investigou Schoenstatt ouvindo quase exclusivamente algumas irmãs que criticaram o estilo pastoral e pedagógico do Padre Kentenich, sem estar interessado em receber o testemunho de outras 1700 irmãs que o valorizaram, e cuja pedagogia as conduziu a caminhos de profunda realização pessoal no caminho para a santidade comprometida e fecunda.

Sendo que o seu trabalho estava centrado na descoberta de possíveis desvios e não de virtudes em Schoenstatt, é interessante que em nenhum momento Tromp acusou o P. Kentenich de qualquer tipo de abuso sexual. O mencionado "incidente" com a irmã a que se refere as denúncias da mídia se referem, Tromp relaciona-o com uma dependência emocional das irmãs em relação ao fundador de Schoenstatt, mas não menciona uma sugestão sequer de um desvio ou abuso sexual em Kentenich.

O Pe. Kentenich esclarece mais tarde que a sua tarefa não se reduz às almas que Deus lhe confiou simplesmente cumprindo os preceitos da Igreja, mas que é chamado a curar almas a desde o mais profundo, incluindo a sexualidade não assumida e outros complexos psicológicos, vendo neste ponto uma missão pessoal para a Igreja, que em tempos antes do Vaticano II eram tabu, o que é sem dúvida evidente que continua a ser para alguns grupos  da Igreja. E perguntamo-nos se hoje seria notícia que um psicólogo ou psiquiatra quisesse oferecer ajuda a uma pessoa com um complexo sexual, e se, ao dar essa ajuda, seria exposto nas manchetes dos meios de comunicação de massas como um abusador. O Santo Ofício não o fez, a Igreja não o fez com o Pe. Kentenich, mas excepcionalmente, a investigadora mencionada o fez e foi reproduzido por vários meios de comunicação sem verificar a informação.

3 El P. Kentenich con familias.png

P. Kentenich com famílias

Heading 1

Outras acusações

 

Hoje estão a surgir testemunhos que põem em causa as práticas pedagógicas e psicológicas do Pe. Kentenich com base nos testemunhos de algumas irmãs. São testemunhos duros, isto é reforçado porque são publicados da mesma forma que o Santo Ofício agiu com o Pe. Kentenich, unilateralmente e sem interesse em explicar os contextos em que os possíveis acontecimentos teriam ocorrido, nem na ocasião em que foram escritos, nem na realidade emocional ou psíquica dos seus autores, nem no testemunho de milhares de outras pessoas com experiências diametralmente opostas sobre a pedagogia do Pe. Kentenich.

Não me compete explicar tais testemunhos que também me comoveram. Ao investigar, encontrei respostas coerentes, colocando tudo num contexto, o que, como disse acima, os meios de comunicação social não fizeram.

O bispo Stephan Ackerman, titular da diocese de Tréveris, a que Schoenstatt pertence, onde caminha o processo de canonização do Padre Kentenich, nomeou uma nova Comissão Histórica que analisa sistematicamente os fatos que estão nas notícias de hoje. Ao mesmo tempo, o Movimento de Schoenstatt estabeleceu um Grupo de Investigação, composto por 12 pessoas de diferentes países, com o objetivo de dar respostas objetivas aos temas em questão.

Quanto à importância da verdade para Schoenstatt, afirma o Pe. Angel Strada, postulador da causa de canonização do Pe. Kentenich entre 1997 e 2017: “o que me importa é a canonização da verdade. Todo o resto é para mim, em princípio, uma questão secundária”.

4 Celebraciones jubileo en Schoenstatt.J

Celebrações de Schoenstatt no seu centenário em 2014

Observações da Presidência Geral de Schoenstatt

O Padre Juan Pablo Catoggio, presidente da Presidência Geral do Movimento de Schoenstatt, relatou em 2 de julho: "O Padre Kentenich respondeu em detalhes ao visitante e seus superiores à acusação de abuso de poder e expôs abertamente seu pensamento, seus princípios e seu comportamento. Jose Kentenich foi autorizado a retornar a Schoenstatt em 1965 e 1966, respectivamente, após 14 anos de exílio. Os decretos que o separaram de sua fundação foram revogados e a causa do fundador foi devolvida à Congregação dos Religiosos daquela época. Desta forma, ele poderia mais uma vez assumir sua posição como fundador da Obra de Schoenstatt. Desta forma, a acusação de abuso de poder também foi invalidada.

Antes da abertura de um processo de beatificação, a Congregação para as Causas dos Santos deve emitir o nihil obstat (declaração de não objeção) baseados em documentos em seus arquivos e após consulta a outras congregações da Cúria Romana. Se houver uma suspeita fundamentada de má conduta moral por parte do candidato à beatificação, a luz verde não é dada no início do processo. A Congregação para a Doutrina da Fé - antigo Santo Ofício - foi consultada a este respeito e expressou-se a favor da concessão do nihil obstat a Jose Kentenich, que, após realizar as necessárias investigações profundas, foi dada pela autoridade pertinente, a Congregação para as Causas dos Santos.

O conceito de homem do Pe. Kentenich

O P. Kentenich concebeu no seu coração uma nova pessoa, como reflexo da nobreza, pureza e harmonia de Jesus e Maria. Ele nunca pregou nada que não tivesse experimentado anteriormente. A sua principal missão para a Igreja e para o mundo foi a integridade pessoal, numa pessoa emocionalmente sã, coerente, transparente, e, portanto, totalmente aberta à graça de Deus. Compreendeu que este era o presente mais profundo que podia dar à Igreja: pessoas orgânicas, que unem natureza e graça de uma forma exemplar e harmoniosa, sem esquecer fraqueza, pecado e limitações humanas. É por isso que deu um valor tão importante à psicologia nos processos pedagógicos, que no seu tempo, a Igreja não conseguia compreender.

O valor da pureza em Kentenich

Para o Pe. Kentenich, a Imaculada Conceição não é apenas uma devoção a seguir, mas é um ideal profundo a imitar a partir das menores atitudes da vida. Um dia disse a um jovem adulta, que mais tarde se tornaria Irmã M. Petra: "Se conseguires formar apenas uma jovem mulher como uma pequena Maria, a tua vida terá sido um sucesso incrível.

Quem quer que conheça uma Irmã de Maria de Schoenstatt, creio que pode afirmar comigo que na sua alegria, serviço, liberdade interior, atenção generosa aos outros, sem fugir às suas limitações óbvias, são de alguma forma essa presença de Maria no ideal de Kentenich.

6 Schoenstatt con el Papa Francisco.png

Celebrações de Schoenstatt no Jubileu do seu Centenário com o Papa Francisco

A verdade só pode emergir se forem tidos em conta os contextos

Sempre disse que é muito sério julgar uma pessoa por alguns elementos que surgem subitamente, e que não concordam com as certezas que tínhamos sobre essa pessoa. Não deve ser diferente com o Pe. Kentenich. Tudo deve ser analisado no seu contexto histórico, sem deixar nenhum aspecto de lado, com um apego absoluto à verdade.

Pela minha parte, e evidentemente esta é uma opinião pessoal, depois das dúvidas razoáveis que são indispensáveis em cada analista e observador sério, tenho a certeza da santidade do P. Kentenich. Não o conheci pessoalmente, mas há mais de 50 anos que tenho interagido com inúmeras pessoas que o conheceram, e todas elas, posso dizer com segurança, sem exceção, que me transmitiram uma figura paterna dele e que a sua pedagogia ajudou a fazer surgir o melhor de cada pessoa que este com ele incitando a todas a uma entrega generosa.

Schoenstatt, filho da guerra

Os seus filhos espirituais estão conscientes de que Schoenstatt tem uma missão profunda para a Igreja, que está intimamente unida à pessoa do seu fundador, e que é chamada a cumpri-la em união com muitos outros carismas. Schoenstatt foi fundado quando a Primeira Guerra Mundial já tinha começado, venceu a Segunda Guerra Mundial frente aos nazistas, foi testado pelo exílio do Pe. Kentenich, que terminou com a sua libertação por Paulo VI.  Schoenstatt tem afirmado ao longo dos tempos que é um filho da guerra. Isto não o torna melhor ou pior. Mas sabemos que não há missão sem provas. E quanto maior for a missão, maiores serão as provas. Isto é verdade para todos.

Pessoalmente acredito que Deus permite este tipo de provas, inicialmente, para mostrar a nossa tremenda fraqueza humana. Somos feitos de barro. Nem por um minuto podemos acreditar que qualquer coisa é obra nossa. Somos apenas instrumentos minúsculos e fracos. Por sua vez, com a tremenda dignidade dos filhos de Deus, amados imensamente e enviados para levar o amor de Deus ao mundo. Em segundo lugar, estou convencido de que Deus permite que estas provas despertem na Igreja o desejo de conhecer profundamente o carisma do Padre Kentenich. Estou intimamente convencido de que tudo isto irá acelerar o seu processo de canonização. Os caminhos de Deus são misteriosos.

Rebelde de Deus

Um teólogo, jornalista independente de rádio, televisão e jornais e autor de biografias de grandes personalidades cristãs, o alemão Christian Feldmann, escreve: "Não sou um Schoenstattiano. O Pe. Rudolf Amman tentou convencer-me a escrever uma biografia do fundador de Schoenstatt. A fim de ter argumentos convincentes para rejeitar uma tal proposta, me aproximei de Jose Kentenich. Mas, quanto mais o conhecia, mais me entusiasmava: conheci um padre apaixonado por Deus e por todas as pessoas desesperadas e desiludidas que giravam à sua volta. Descobri que, com o seu ardente entusiasmo, ele varreu o desespero do cristianismo contemporâneo. Não estava satisfeito com tímidos planos a curto prazo, mas sonhava com o depois de amanhã na história, com uma Igreja rejuvenescida com um rosto brilhante, com um novo homem e uma sociedade humana, justa e pacífica.

Como é que este padre de construção pouco robusta conseguiu superar sem amargura o campo de concentração, o confinamento num bunker apertado, o exílio humilhante decretado pelas autoridades romanas e catorze anos de exílio, e falar sempre com um sorriso de fé prática na Divina Providência? De onde é que este homem de idade avançada tirou a sua força? Esta é a incrível história - capaz de nos tirar o fôlego - da aliança de amor entre Deus e este homem chamado José Kentenich”.

Feldman acabou escrevendo o livro que queria evitar. O texto acima é a introdução ao seu livro, Rebelde de Deus, Jose Kentenich e a sua visão de um novo mundo.

 

 

Artigo revisado pelo P. Angel Strada, postulador para a causa de canonização do P. Kentenich entre 1997-2017.

10 DE NOVEMBRO DE 2020

Enrique Soros

Enrique Soros é um comunicador social, escritor, atua como agente pastoral na Arquidiocese de Washington, em projetos pastorais e de comunicação na América Latina, colabora com o CELAM, o Conselho Episcopal Latino-Americano, e é Consultor da Comissão sobre Leigos, Matrimônio, Vida Familiar e Juventude da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos da América.

 

Tradução: Pe. Marcelo Aravena e Sueli Vilarinho.